9 dicas para jornalistas investigativos melhorarem sua escrita

1 year ago 55

dicas para melhorar sua escrita

Como contar uma história complexa: Uma seca severa deixou pouca água no rio Kings, no fértil vale de San Joaquin, na Califórnia. A água disponível é usada nas plantações. Imagem: Ryan Christopher Jones / CCIJ.io

Yaffa Fredrick, diretora editorial do Center for Collaborative Investigative Journalism (CCIJ), diz que uma das melhores dicas que recebeu como repórter novata foi apenas colocar suas palavras no papel. Mas ela não recebeu esse conselho de forma muito sutil.

“Tive um editor sênior há muitos anos que notou que eu tendia a me censurar tanto que isso me fazia demorar para começar a escrever, e ele costumava gritar: ‘Vomite no papel, Fredrick!’”, ela lembra.

“Escrever essas histórias investigativas gigantes – você meio que não sabe por onde começar“. — Repórter Lois Henry

Escrever os parágrafos de abertura pode ser um problema em projetos investigativos de longa duração, diz Fredrick, que fez parte da equipe do Panama Papers, que ganhou o Prêmio Pulitzer em 2017. Colocar a caneta no papel ou os dedos no teclado, diz ela, geralmente é “a parte mais difícil de um processo de reportagem”.

Mas, embora sempre haja mais reportagens que você possa fazer, os jornalistas investigativos, como outros repórteres, precisam publicar eventualmente e sempre terão um prazo. Então, no webinar do CCIJ “Do bloco de notas à história: planejando e implementando sua abordagem de escrita”, Fredrick se juntou a Lois Henry, CEO e editora da SJV Water, uma publicação on-line que reporta sobre a água no vale de San Joaquin, na Califórnia, para explicar seu processo de reportagem e escrita. Os dois jornalistas falaram sobre como trabalham juntos como editor e repórter e deram dicas para quem sofre do temido bloqueio criativo. Aqui estão nove dicas de sua apresentação:

1. Respeite o fato de que os jornalistas têm estilos diferentes de reportagem e colaboração

Fredrick e Henry trabalharam juntos em duas histórias como parte do projeto Tapped Out do Institute for Nonprofit News para investigar a água e a injustiça no oeste americano. Uma história investigou uma cidade afundando como resultado de desmoronamento, a outra, Para onde está indo a água?, explorou os grandes interesses corporativos e como a batalha pela escassez de água afetou os meios de subsistência na Califórnia atingida pela seca.

A dupla reconheceu que existem diferentes tipos de repórteres: alguns trabalham de forma mais estruturada e deliberados, outros mais intuitiva e criativa. Mas ambos podem ser eficazes, eles concordaram.

Diretora Editorial do CCIJ, Yaffa Fredrick. Imagem: Cortesia de Yaffa Fredrick

“Yaffa e eu temos abordagens muito diferentes”, disse Henry, que era o repórter-chefe do projeto, enquanto Fredrick era sua editora principal. “Ela é mais organizada, metódica. Eu sou mais no improviso. Eu tenho meu próprio método maluco – meus pensamentos funcionam de uma maneira diferente – mas eles se transformam em uma investigação no final das contas… Qualquer que seja sua abordagem, tudo ficará bem. Você não precisa se encaixar em um modelo que não lhe convém”.

Henry começa cada investigação com uma elaborada lista de tarefas: quais documentos ela precisa, quais fontes, se ela tem seus números de telefone, quais sites ela deve consultar, uma consideração do elemento visual. Então ela começa a trabalhar nos itens de sua lista.

“Especialmente para uma grande reportagem investigativa, pergunto a cada pessoa que entrevisto: estou no caminho certo? Existem outras fontes que você pode me indicar? E adiciono isso à lista. À medida que vou indo, coloco na lista coisas que serão realmente úteis: um fato, uma citação, uma frase, um documento e registro a data e a hora de cada ligação que faço, especialmente de testemunhas potencialmente hostis”.

2. Defina seu “discurso de elevador”
“Quanto mais você demora para escrever, mais difícil é começar“. — Diretora Editorial do CCIJ, Yaffa Fredrick

Uma vez que você sente que tem material suficiente para começar a escrever, Fredrick recomenda elaborar um “discurso de elevador”, um breve resumo do que você encontrou e como vai contá-lo.

“Sobre o que é a história?” Frederico enfatiza. “Se você não consegue defini-lo em duas ou quatro frases, há algumas perguntas que você pode fazer a si mesmo: o que está permitindo que [um problema específico] se perpetue? É ganância política ou corporativa? É legislativo? Ambiental? Quem são e como estão envolvidas as pessoas-chave na história?”.

“Se você respondeu a essas perguntas, deve ser capaz de criar seu discurso de elevador – que se tornará seu lide”, disse ela, referindo-se ao parágrafo de resumo que estabelece uma história, informando ao leitor o que está por vir. “Depois de ter seu discurso de elevador e sua reportagem, você precisa sentar e começar a o rascunho”, disse ela.

3. Apenas comece

De reportagens adicionais intermináveis ​​à procrastinação, os jornalistas são mestres em deixar sua escrita para o último minuto possível. Mas essa, diz Fredrick, não é a melhor tática.

“Quanto mais você demora para escrever, mais difícil é começar”, disse ela. “De um modo geral, em nossa indústria, você está sempre perto do prazo… Por mais assustador que pareça, seja o esboço ou a história real, é como um músculo e precisa ser exercitado. Você tem que aceitar que o primeiro rascunho vai ser profundamente imperfeito, e isso é totalmente normal“.

Como editora, ela também fica “muito mais feliz se eu receber um artigo incompleto do que não receber nenhum artigo ao fim do prazo”.

4. Use vozes da área para contar sua história

“Ir a campo para entrevistar pessoas – não consigo enfatizar o quanto isso é benéfico”, disse Henry, que conheceu alguns dos fazendeiros da Califórnia que se tornariam seus principais protagonistas, por acaso, enquanto estavam na estrada. “Conhecemos essas pessoas durante as entrevistas“.

Quando voltar do trabalho em campo, lembre-se de fazer com que esses encontros pessoais sejam importantes. “Passamos de uma enorme quantidade de dados para conversas com os agricultores, para descobrir quem estava sendo ferido”, disse Henry. “Incluímos todos esses testemunhos bem no início da nossa história”, acrescentou Fredrick, “porque estávamos tentando atrair o leitor e defender o caso: essas são pessoas com as quais você deveria se preocupar, essas são as pessoas para quem isso é sua força motora,  e foi tirado deles“.

5. Foco nas Pessoas

David Avila, 75, agricultor, em uma casa que pertence à sua família há mais de 100 anos. A família Ávila é originária dos Açores, em Portugal, e tem cultivado no Vale Central há gerações. Imagem: Ryan Christopher Jones / CCIJ.io

Uma das maneiras mais fáceis de fisgar seus leitores é dar a eles pessoas com quem se preocupar no início da história, explicou Fredrick. “Eu chamo essas pessoas de nossos personagens atraentes. Por que deveríamos nos importar com dois titãs brigando por água? Bem, é por causa dos agricultores que estão lá com suas famílias há gerações e, de repente, estão lutando para sobreviver e talvez estejam sem empregos e não haja um caminho claro para o que farão a seguir. A chave é explicar quem está sendo ferido logo no começo. E para descrever inequivocamente a extensão dos danos“.

Ela também sugeriu que os repórteres investigativos poderiam fazer um trabalho melhor levando o leitor com eles. “A outra coisa que eu diria – especialmente em reportagens investigativas – muitas vezes você reporta extensivamente sobre um lugar e muito provavelmente, seu leitor nunca viu ou esteve naquele lugar”, disse ela. “Como era, como cheirava? Quais são os principais detalhes que você pode usar para descrever como foi estar naquele lugar? Realmente dê vida ao lugar para o seu leitor. Você pode fazer as pessoas se importarem dando a elas alguém ou algum lugar com quem se preocupar“.

6. Mantenha a simplicidade usando uma linguagem clara

Henry riu contando quantos rascunhos sua história teve desde o conceito até a publicação. Mas ela também aconselhou os repórteres a desenvolverem seu próprio estilo de escrita e a segui-lo.

“Tenho um estilo de escrita realmente muito simples, mas acabei de ler este livro fabuloso … [de] um escritor muito lírico”, observou ela. “Eu estava tentando escrever como ele, como ele faria. Após ler o rascunho, Yaffa escreveu de volta: ‘Não tenho ideia do que você está falando. Por favor, não me faça ler isso de novo.’” E esse rascunho foi descartado.

Geralmente, ambas aconselham cortar jargões e termos técnicos, a menos que sejam realmente necessários. Além disso, obter uma segunda opinião sobre sua história.

“Quando você está muito próximo a uma história, pode não conseguir ver os buracos, as frases confusas, a seção que requer esclarecimentos adicionais”, disse Fredrick. “Portanto, ter um amigo, membro da família, um editor profissional para ver como sua história está se manifestando é realmente útil“.

7. Preencha os buracos – até não poder mais

Lois Henry, CEO e editora da SJV Water. Imagem: Cortesia de Lois Henry

mugPara a investigação sobre a água, Henry passou bastante tempo “seguindo a trilha”, identificando quem estava levando a água para fora da cidade e como era permitido que isso acontecesse. Mas ela encontrou um obstáculo quando pediu para ver os registros de vendas de água. Por fim, sua reportagem apontou que os grandes proprietários de terra que estavam bombeando água da região estavam dentro de seus direitos legais, levando os repórteres a questionar um sistema que deixa os pequenos agricultores à beira da ruína financeira.

“Passamos muito tempo tentando preencher esse buraco”, disse ela. “É uma daquelas coisas: nas idas e vindas da edição, e tentando tapar os buracos, às vezes você tem que dar um passo para trás e dizer: o buraco é a história… a falta de falta de prestação de contas é realmente o que está acontecendo“.

8. Trabalhe em colaboração com seus editores

A investigação sobre a água – que resultou em uma matéria publicada em parceria com o The New York Times e uma segunda publicada pela CCIJ – foi um trabalho de equipe. Ao lado de Henry e Fredrick, também houve ligações e brainstorming entre uma equipe mais ampla composta por jornalistas visuais, editores de dados e designers.

“Conversávamos sobre onde Lois estava no processo de reportagem… documentos que ela tinha, documentos que ela não tinha, quem eram as melhores pessoas que ela entrevistou naquela semana, quem eram as piores pessoas”, disse Fredrick.

“Ao escrever essas histórias – essas histórias investigativas gigantes – você meio que não sabe por onde começar”, disse Henry. “Existem tantos lugares onde você pode começar. A cidade que está afundando. Que eles fizeram os habitantes da cidade pagarem pelo dique que eles haviam afundado. Os fazendeiros saindo do mercado. As pessoas ganhando muito dinheiro… há tantos ângulos que foi difícil reduzi-los“.

“Acho que um editor é tão importante quando você está trabalhando em quase qualquer história, mas especialmente em algo investigativo, que vai ser longa e complicada, é tão importante ter um editor, um apoio”, disse Henry.

9. Continue fazendo perguntas

Fredrick lembra aos repórteres que nunca tomem “as palavras de qualquer um que você entreviste como fato, porque todas essas pessoas estão falando de suas experiências muito subjetivas. O que não significa que não sejam experiências reais, mas é importante entender que existem vários lados de uma história“.

Henry diz que “em algum momento você precisa colocar um ponto final nisso. Deixe as pessoas lerem e continuem relatando e escrevendo“. Você pode não ter respondido a todas as perguntas, mas lembre-se, só porque você está publicando, não significa que é o fim.

Nota do editor: Embora o texto desta história possa ser republicado sob a licença Creative Commons da GIJN, as imagens da Califórnia são todas propriedade de Ryan Christopher Jones e não podem ser reproduzidas sem permissão.

Recursos adicionais

Jornalista investigativo independente: saiba como vender a sua pauta

Quer que as pessoas leiam sua investigação? Certifique-se de contar uma boa história

A ascensão do jornalismo investigativo científico


Laura DixonLaura Dixon é editora associada da GIJN e jornalista freelancer do Reino Unido. Ela reportou diretamente da Colômbia, Estados Unidos e México, e seu trabalho foi publicado pelo The Times, The Washington Post e The Atlantic. Ela recebeu bolsas de reportagem da International Women’s Media Foundation e do Pulitzer Center for Crisis Reporting.

The post 9 dicas para jornalistas investigativos melhorarem sua escrita appeared first on Global Investigative Journalism Network.

Read Entire Article